topo

Postado em 20 de Outubro às 09h00

5 Dicas cruciais para evitar e reduzir a inadimplência!

O lojista que tem como prática trabalhar com vendas a prazo ou parcelamento, deve recorrer aos diversos métodos disponíveis para que não ocorra um índice de inadimplência alto em seu estabelecimento.

Afinal, segundo a Serasa Experian, atualmente no Brasil o número de inadimplentes chega a mais de 35 milhões de pessoas (o que equivale a 24,5% da população).
A fim de manter a organização interna de seu negócio, o processo de controle de contas a receber deve estar bem estruturado, bem como o foco na qualidade de seus clientes versus o número de vendas realizado, onde ambos devem ser equalizadas.
Para isto, convidamos você a observar as 5 dicas cruciais abaixo, a fim de reduzir o número de inadimplentes em sua empresa!
SISTEMA DE GESTÃO
Nada melhor que ter os dados financeiros de sua empresa organizados em um sistema de gestão eficaz, afinal o conhecimento da saúde financeira de um negócio, orienta o planejamento estratégico como um todo.
Além disto, com o controle financeiro ideal, que acompanha toda movimentação de títulos dos clientes, assim como o fluxo financeiro, sua loja certamente ganha em solidez e segurança em todos os processos. Saiba mais aqui!
RELACIONAMENTO COM O CLIENTE
Relacionar-se com o cliente é uma das primeiras formas para entender seu comportamento.
Um e-mail um pouco antes da parcela vencer, com alguma oferta ou dica que faça ele lembrar de seu estabelecimento, é uma boa solução para quem sabe, não precisar cobrá-lo mais à frente.
ANÁLISE DE CRÉDITO
Solicitar referências pessoais, comerciais ou bancárias, é o mínimo que seu departamento de crédito deve levar em consideração no momento de avaliar o risco da venda para determinado consumidor.
SERASA, por exemplo, possui alguns sistemas que utilizam cálculos estatísticos, identificando aqueles consumidores com maior ou menor probabilidade de ficar ou não inadimplente. Consulte.
PENALIDADES
Infelizmente, alguns clientes só irão dar prioridade para o pagamento de sua loja, se existirem penalidades aplicadas ao parcelamento em atraso, tais como a cobrança de multas e juros.
Lembre-se que a decisão por cobrança das dívidas de forma extrajudicial ou judicial, deve ser analisada e levada em consideração dependendo do nível de atraso do pagamento para cada tipo a ser executado. Atenção neste ponto.
ORGÃOS DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO
Informe ao seu cliente as consequências por atraso em seus pagamentos no momento em que o mesmo realizar a compra à prazo, como exemplo, o registro de inadimplência nos órgãos de proteção ao crédito.
De forma sólida, vocês iniciarão uma relação comercial pautada em transparência.
Existem diversas opções para que você consiga construir um relacionamento financeiro saudável junto a seus clientes.
Ofereça vantagens e descontos em caso de quitação antecipada, proporcionando métodos de pagamento acessíveis e monitorando, por exemplo, como anda o comportamento de cada consumidor de forma individual.
Realize também análises financeiras periódicas, a fim de prever algo que não esteja saindo conforme o planejado.
De mais a mais, lembre-se que qualquer tipo de constrangimento, que exponha o devedor de forma pejorativa, é crime, e para isto, tenha em seu time pessoas qualificadas para esta e quaisquer outras funções!

Veja também

Economia da Recorrência: o que é e como funciona?20/02/19 Você já ouviu falar no termo “economia da recorrência”? Muitos empresários e executivos do mercado ainda ficam com aquela expressão de dúvida ao escutar o termo. A economia da recorrência é o método de voltado para assinaturas, ou seja, de um modelo que parte da recorrência de pagamentos para o cliente e de recebimentos frequentes......
4 dicas de como a tecnologia ajuda em tempos de crise!13/04 Está em dúvida do como e onde investir em tecnologia para atrair clientes neste período de estagnação? Em um momento onde é necessária a readequação por parte de lojistas e de negócios......
O Consumidor de Móveis e seu Comportamento21/08/19 A venda de móveis é uma tarefa que requer estar sempre atento às tendências, bem como conhecer seu público consumidor de móveis e seu comportamento, extremamente exigente. E em uma fase econômica turbulenta......

Voltar para Blog do Lojista